,

Reflexão sobre adoração por Robert Alves

11075030_893310807357703_1283506589781223803_n

Tem gente acreditando cegamente que adorar a Deus é somente cantar, almeja adorar a Deus extravagantemente, cantando uma linda canção que rasgará os céus, e por conseqüência o coração do Pai, essa pessoa promete mundos e fundos para Deus, tudo em uma única canção, refrões repetitivos, jogo de luz seguido de uma luz fraca e um teclado ao fundo, e aí vocês conhecem bem o resto da história…

Sabe aquelas bandas gringas de adoração, mais conhecidos como enlatados americanos? Então, aí o cidadão que é brasileiro, mas imita todas essas bandas, levanta as mãos, grita, chora, pula, salta, dança, e faz tudo que o macaco de auditório pede (ops… perdão aos macacos!!!) aí ele faz tudo que o tal adorador extravagante manda fazer, acabou a música e o momento da gritaria, mas as manifestações chamadas de espirituais continuarão um pouco mais.

Refletindo sobre tudo isso, me vem a mente. Sabe o que diferencia esses ambientes de uma festa Rave ou de uma cracolândia???

Absolutamente nada!!!

Nesses lugares chamados por muitos de mundanos os caras se entorpecem com drogas sintéticas ou bebidas alcoólicas misturadas com energético, nas vielas crack e afins, já em algumas igrejas os caras se entorpecem com uma droga chamada Movimento Gospel, as drogas usadas nos dois ambientes bem distintos, são extremamente nocivas para nossa sociedade como um todo.

Então uma vez que nossos momentos de adoração são apenas um tempo pré-estabelecido como parte de uma liturgia para um culto, e se nada do que eu cantei é real e as promessas para Deus foram apenas palavras jogadas ao vento, vazias de amor e vazias de sentimentos. Nesse caso, não existe diferença entre as pessoas do mundo e as pessoas da igreja porque elas têm reações semelhantes, uma por uso de entorpecentes e outra por uso de emocionalismo chamado de espírito santo, no fim a lembra é bem parecida, tanto que um pastor midiático faz a comparação de cheirar cocaína com cheirar a Bíblia e ficar doidão com a palavra de Deus, para poder fazer loucuras para Jesus, esse gesto foi repudiado por várias pessoas da mídia, inclusive não cristãs, fiquei reflexivo, ainda bem que a comparação não foi com outras drogas como maconha ou crack, porque quem segue esse tipo de movimento, não se escandalizaria nem um pouco, se esse pastor rasgasse a Bíblia e a fumasse, seria apenas mais uma loucura para Jesus ….

Se você acha que eu estou pegando muito pesado peço apenas que você passe umas horas de seu dia em uma cracolândia e verifique quantos filhos de crentes desviados você encontrará no local, porque infelizmente hoje, uma geração de jovens quer adorar a Deus extravagantemente, mas não aprenderam a amar e servir as pessoas extravagantemente como Jesus nos ensinou…

O desafio para igreja evangélica da pós-modernidade no Brasil é aprender adorar ao Pai Celestial depois que a música acaba, e depois que o culto se encerra, entender que adoração nunca foi e nunca será um estilo de música evangélica, adoração é um estilo de vida, proposto pelo Espírito Santo, para aqueles que desejam adorá-lo em espírito e em verdade, outro desafio para igreja Brasileira é expulsar os cafetões da fé dos púlpitos, sejam eles cantores, sejam eles pregadores, a Bíblia ensina que o justo viverá pela fé, e não por um cachê.

Pensem comigo, se os caras que cobram valores absurdos dizem que detém uma adoração genuína, e os pregadores são os verdadeiros ministros da palavra da verdade e do evangelho da Paz, e quando bancamos esses caras, simplesmente estamos afirmando que, essa tal de adoração e essa tal de palavra da verdade pertence somente aos ricos, os que podem bancar toda essa orgia com Mamon…

Adoração é um estilo de vida proposto por Deus, que se estenderá para o culto como uma continuidade do que eu tenho vivido no meu dia a dia, porque fomos criados para isso, para o “Louvor da sua Glória”, como uma noiva que anseia pelo seu noivo e se adorna para um tempo de intimidade com Ele Jesus Cristo. Agora quando eu busco intimidade com o Noivo, e eu sou obrigado a pagar por essa intimidade, eu não sou mais a noiva, eu sou uma prostituta que faz programas somente com quem paga por intimidade, e quem agencia uma prostituta são cafetões. Reflita sobre o que você canta, e quem você esta adorando nessas músicas evangélicas, na maioria dessas músicas que se canta hoje quando não adoramos a nós mesmos é o próprio cantor que estará sendo adorado, e isso é deprimente…

Deus não tem que restituir nada para você, Ele deu o que Ele tinha de melhor que se chama o Sangue de Jesus, se você quer de volta o que é seu, você deseja a morte eterna e o inferno, criado para o diabo e seus anjos, se o melhor de Deus ainda esta por vir…

Mano você não conheceu o melhor de Deus que se chama Jesus Cristo!!!! Isso vai ficar bem claro quando você cantar: “Eu nunca saberei o preço de meus pecados lá na cruz!” Claro que não saberá!!! Só vai saber quem for para o céu, quem entendeu a mensagem da cruz e a aceitou de verdade, reconhecendo sua condição de pecador, como Zaqueu fez, ele não sobe em uma árvore para chamar atenção para si, na Bíblia ele chama a atenção de Jesus quando ele se arrepende de seus pecados, e quando a gente se arrepende e somos introduzidos no Reino de Deus e na sua justiça, nós retiramos de nosso vocabulário o “eu” e o “meu”, porque não existe Reino para um único indivíduo, e sim para você e seu próximo, Martinho Lutero não cantaria assim:

“Entra na MINHA casa, entra na MINHA vida, mexe com MINHA estrutura, sara todas as feridas! ME ensina a ter santidade QUERO amar somente a ti, porque o Senhor é o MEU bem maior, faz um milagre em MIM!”

Vejam como Martinho Lutero, cantava em adoração a Deus, reflexo claro do que ele representava junto ao Reino de Deus, ouça “Castelo Forte”, um hino de quase 300 anos, mas bastante atual, e entenda porque “nós” e não “eu”…

Para os reformadores isso era muito claro:

“A NOSSA força nada faz, ESTAMOS, sim perdidos; mas NOSSO Deus socorro traz, e SOMOS protegidos. Defende-NOS Jesus, O que venceu na cruz, Senhor dos altos céus; e sendo o próprio Deus, triunfa na batalha.”

O outro desafio para igreja brasileira, é parar de amar os cantores gospel ou pastores acima de todas as coisas e a mim mesmo porque pra ela não existe o próximo!

É tipo o ensinamento que o outro pastor midiático nos dá em rede nacional, ele ama o homossexual como ele ama um bandido assassino, e é engraçada essa afirmativa porque eu amo esse pastor da mesma forma que ele declarou amar um homossexual! E eu me lembro que ao afirmar isso em uma rede social na eu fui execrado pelos adoradores deste pastor, como se a afirmativa na boca dele estive correta, mas na minha boca era blasfemo e intolerante, porque ele não afirma que ama os homossexuais ele apenas compara homossexuais com bandidos e assassinos…

Eu adoro a Deus as vezes no cabo da enxada, ou carregando tijolos, ou limpando um banheiro, ou lavando uma louça, e sabe de uma coisa? Deus aceita esse louvor como aroma suave, experimente adorar a Deus servindo, e amando alguém, e fazendo tudo o que vier a suas mãos com excelência, você observará que suas canções para Deus, vão ser mais verdadeiras… Para mim é libertador e até me aproxima mais do Pai, saber que Ele se importa com nosso coração e mente, ele se preocupa com seu caráter e não com seu visual de crente certinho, essa é a razão de não sermos consumidos quando estamos cantando erros teológicos tão grotescos, porque em uma multidão de pseudo adoradores, 2 ou 3 que se reúnem diante do Pai não se prostraram a Baal, a razão de não sermos consumidos é porque Ele conhece os corações desses 2 ou 3!!!!

fonte: Robert Alves

Comentários

Deixe uma resposta

Loading…

Comentários

O QUE VOCÊ ACHA?

0 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Written by Cleidson Almeida

facebook-profile-picture

Servo de Deus, carioca, músico, tecladista da banda Evangellic, nerd, designer, louco por games e tecnologia